“Vinte mosteiros guardam, há quase dez séculos, sinais vivos do mundo bizantino. No Monte Athos, norte da Grécia, monges e eremitas ortodoxos mantêm de pé um quotidiano de outro tempo, o tempo em que Istambul se chamava Constatinopla ou Bizâncio. Um roteiro de viagem aos mosteiros ortodoxos do Monte Athos.

O Monte Athos designa uma montanha de mais de dois mil metros de altitude no extremo da península e é por esse nome que é conhecido o conjunto de vinte mosteiros que albergam cerca de 1700 monges de diferentes nacionalidades. Alguns vivem em ermitérios, prática ascética comum na península há uns bons mil anos”.

“É um mundo anacrónico, em expressão simplificada, o que sobrevive no Monte Athos, caracterizado pelas práticas eremitas do cristianismo primitivo. Ascetas e (quase) auto-suficientes, os monges ocupam o seu tempo em orações, nos trabalhos agrícolas, na pesca, na pintura de ícones e no estudo, organizando a sua vida quotidiana como se o Império Bizantino não tivesse sido vencido pela História. O calendário em vigor é o Juliano e o dia começa cedo, por volta das 3h00 da manhã, com cerca de cinco horas”. de Alma de Viajante

Esta é uma viajem única que propomos por alguns destes Mosteiros. Uma viagem pelo mundo que se conserva, em todas as práticas e sobretudo numa vida que insiste em ser diferente. No isolamento, na vivência e na experiência de que foi e continua a ser. Um mundo belo. Tranquilo. Um mundo de paz.

Cidades a visitar: Monte-Athos; Atenas

Esforço Físico:  Exigente

Nº de Pessoas: 10 no máximo

Lugares marcantes: Mosteiro de São Paulo; Philotheou; Skiti Ana; Mosteiro de Koutlomoussiou; Mosteiro Simonos Petra; S. João Crisóstomo; Megisti Lavra; Biblioteca de Megisti Lavra; Mosteiro de Xeropotsmou; Peristilo; Catedral de Split